segunda-feira, 5 de junho de 2017

Se é questão de confessar. . .

Negação. Indecisão. Difícil entender. Ainda mais difícil quando a mesma situação bate à minha porta após longos anos. É diferente dessa vez, é mais simples. Talvez eu apenas não queira estragar tudo por nada. Talvez eu queira que você estrague tudo no meu lugar pelo menos uma vez. E eu espero. Sempre espero. 

Dessa vez, não crio expectativas. Apenas espero. 

Ah, como nossas vidas mudaram! Mas nós ainda somos os mesmos, com a mesma forma de olhar, de abraçar, e de entender sem a necessidade de muitas palavras. E eu ainda sou aquela que tenta afastar, não pela falta de vontade de estar perto, mas pela necessidade de não criar expectativas. E eu sigo em frente, sem dúvidas, até o momento em que você interfere e não me deixa afastar mais. 

É um jogo sujo, como diz naquela música que gostamos, me fazer sonhar com você. E você faz isso comigo, talvez por uma vontade física que às vezes nem você encare. E eu sonho, talvez por uma vontade inconsciente de não negar mais. Mas não importa. Nas nossas maiores confissões, palavras sempre foram dispensáveis. Chego a pensar que talvez elas sejam mesmo apenas uma forma de estragar tudo, principalmente quando o que sentimos é tão inexplicável e bom. Diante disso, eu bem sei que você já tem minha confissão, da mesma forma que eu tenho a sua. 

Negação e indecisão pertencem a nós dois. Sempre difícil entender o seu motivo quando estou em pauta. Mas fácil enxergar o que você não quer mostrar. Aquele olhar, que parece tentar enxergar minha alma e não apenas o que está a sua frente; aquele toque, que parece estar sempre acompanhado de uma necessidade embriagada de conhecer cada centímetro do meu corpo; aquele abraço, que prende como se quisesse dizer que ainda falta alguma coisa; e, por fim, o beijo. Em cada um deles, uma confissão diferente. Ora cuidado, ora desejo. Mas em todos eles a mesma fluidez e leveza que confundem nossas mentes sobre o começo e o fim de tudo, como se fosse algo tão certo que apenas o momento importasse. Difícil explicar. E é aqui que as palavras apenas estragam tudo.

Estamos bem assim. No fundo, eu sinto que "tudo vai dar certo", da maneira mais clichê que possa existir, e que nós estamos exatamente onde deveríamos... finalmente.



terça-feira, 10 de janeiro de 2017

Em segredo. . .

Um passo. Em tua direção.
Outro passo. Perdida no vazio que deixaste.
Mais um passo. Teu retorno.
O desfecho. Um beijo.
Escuta-me, meu amor
Escuta meus olhos
Que tudo denunciam
Que tudo prometem
Que tudo cumprem
Escuta sempre os olhos, não a boca
Pois são os olhos que dizem o que o coração sente
A boca apenas espalha o que é fácil de ouvir
De forma voluptuosa
Portanto, amor meu,
Escuta meus olhos!
Deles não tenho o controle
E esta boca nada dirá
Eu o escuto há muito tempo
Escuto por inteiro
Teus olhos dizem muito
Mas nada dizem para mim
Nunca o fizeram
Tua boca carrega apenas um momento
Se atentasse aos meus olhos antes
Ou se minha boca se atravesse mais
Talvez teus olhos também dissessem
Talvez eles me sentissem
Talvez
Mas não me atrevo a perder
Esse momento
Nem o orgulho
Que mantem minha boca fechada
E é ainda maior que o teu
Talvez já tenha escutado meus olhos antes
E, então,
Aguarda as palavras de minha boca
Ou o que meus olhos disseram não agradou teu peito?
Diga, meu bem,
Pois nada mais espero após esses anos
E de tudo duvido
Se tua boca falasse mais
Se teus olhos fossem menos abismo
Talvez eu me encontrasse neles
Sem rodopios
Ou, pelo menos, desistiria de buscá-los
Mas a tua boca não fala
E teus olhos estão perdidos
Como teu coração
Como tua alma
Que não querem ser encontrados
Não por mim
Pois também duvidam de tudo
E nada esperam
Teus anseios tortos
Guiados apenas por bocas
Que não levam a lugar algum
Ou por olhares fascinantes
Que não são totalmente dedicados a ti
Desprenda-se da ilusão
E terá tudo
Que nunca pensaste em desejar
Mas que te preencheria
Se permitisse
Escuta-me!
Meus olhos cansados se fecharão logo mais
Para esse amor
E para o que poderia ter sido
Apenas restará minha boca
O prazer do momento
E a dança da ilusão
Então diga
O que quer que seja
Faça-me ouvir

segunda-feira, 2 de fevereiro de 2015

"Nada no mundo é pior do que perder uma oportunidade que poderia mudar o rumo de tudo."

domingo, 11 de maio de 2014

Eu confesso só me resta a vida inteira. . .

Todos temos altos e baixos, sejam eles diários, semanais, ou de "vida e morte" (talvez até literalmente). Isso não importa tanto quanto o que fazemos com eles. O que aprendemos quando estamos no alto? O que aprendemos quando estamos embaixo? E o que aprendemos e esperamos nas quedas e ascensões? 
É fácil quando está tudo bem, as coisas parecem se encaixar em você, e você parece se encaixar no mundo. É muito bom que o mundo te veja bem, te veja capaz, te veja feliz. E é tão bom quanto ter pessoas que te ajudem a estar assim.

É também muito fácil fechar os olhos pro mundo quando ele parece se fechar pra você. Quando tudo parece dar errado, ou quando você parece o único erro de toda a história, é muito provável que o mundo vá saber disso, principalmente o mundo mais próximo da sua vida. Nesse momento, é ruim ver pessoas que não te ajudam. 

A questão não é o mundo e as pessoas, mas você. A única variável cujo controle é exclusivamente seu: decisões, erros e acertos. Quando estamos no alto, aprendemos a sorrir. Quando estamos embaixo, desistimos de aprender. Contudo, é essencialmente importante aprender a se levantar, a buscar subir novamente a escada que o leva de volta para o bem-estar. É importante se conhecer nesses momentos, traçar metas, saber o que e quem você quer. Nem sempre as pessoas que estão do nosso lado e mais amamos conseguem nos ajudar sempre, mas provavelmente elas tentam. Pessoas erram. É importante saber disso, pois nosso egoísmo, ou talvez apenas a falta de fé, pode fazer com que pensemos apenas em nós mesmos. Não podemos falar o que é bom ou ruim para os outros, mas devemos saber como as pessoas reagem a nossas ações. Devemos tentar fazer o bem para as duas partes; devemos querer o amparo, mas também dá-lo aos que amamos.

Quedas? Ascensões? Fazem parte da vida de todos. Devem fazer. Acho que cada um tem suas esperanças, mas que elas deveriam se resumir em querer superar. Que possamos sorrir com as quedas, pois elas nos mostram que precisamos aprender sempre, que devemos estar sempre alertas para nossos cuidados. Que possamos sorrir com as ascensões, pois elas nos mostram que estamos superando e que devemos continuar assim para ficarmos bem e fazermos o bem. As duas fases podem passar rapidamente, mas podemos escolher quais serão acidentais e quais serão as escolhidas para durarem um longo tempo. 

Eu tenho esperança de muitas coisas. Tenho esperança em relação a mim e a você. Tenho esperança de que vou me acostumar a essa nova vida, pois estou tentando todos os dias. Minha alegria é saber que tenho tempo para isso, e que se daqui a cinco anos eu não conseguir, tudo estará bem e terá terminado. Tenho esperança de conseguir me melhorar de todas as formas que quero, de ser quem você espera, de ser uma pessoa boa, de ser competente, de ser brincalhona e séria em situações que requerem cada um dos comportamentos. Tenho esperança de que você aceite mais as quedas, mas não olhe para elas com tanto peso, principalmente aquelas que não duram nem um dia. Tenho esperança de que continuemos juntos e de que não seja pesado para ninguém isso.

Meu dia foi cheio do vazio. Não fiz quase nada que deveria, e ainda atrapalhei a sua noite. Me atrapalhei também de certa forma. Pensei muito no meu egoísmo, nos meus erros. Pensei em como eu deveria ser para ser legal, mas sem causar confusões. Pensei em tudo que foi falado essa semana, na escolha tomada. Não sei mais o que é certo: o que eu quero e insisto ou o que você diz ser melhor, embora não pareça querer. Nesse ponto, não quero pensar, pois tenho medo de descobrir que estou errada. Tenho medo de perceber que atrapalho mais do que ajudo, e que, por isso, você está certo em não me querer mais por perto. 

As coisas ainda não estão equilibradas. Talvez seja tão raro me ver brincando, que quando faço isso te causa estranheza e pareça que estou zombando. Não sei bem o que é. Eu tento fazer as coisas serem boas, serem leves. Mas isso não está tão claro ainda, eu acho.

Eu quero terminar o dia bem, sabendo que te fiz feliz, podendo ir dormir tranquila. Quero passar meus dias com calma, sem as surpresas inesperadas no telefone, ou mesmo pessoalmente, sobre nosso relacionamento. Não quero viver com o medo de perder algo que pra mim é tão importante, ainda mais por coisas "bobas" que fazemos. Assim como eu tenho que saber muito bem o que espero e quero de você, acho que você tem que pensar no que espera e quer de mim. Talvez certas coisas você já tenha, só não presta atenção. Talvez outras você queira, mas ainda não saiba em que medida. Tudo em exagero é ruim, seja a tristeza ou o excesso de risadas. Depende de como e quando isso acontece. Às vezes, tudo o que você vai querer é um colo, sem palavras, sem risadas. Sei que cabe a mim ser o que você precisa, quando você precisa. Mas cabe a você reconhecer quando eu acertar, como cabe a mim reconhecer seus acertos também. E cabe a nós dois conversarmos sobre o que está bom e o que está ruim, para mudarmos um pelo outro, por amor.

Me dói saber que te magoei mais cedo com o que aparentemente falei, e me dói saber que talvez você tenha ficado ainda mais triste por ter passado por isso porque não entendeu o que eu disse. Porque em nenhum momento falei para te magoar, você não deveria ter passado por nada disso hoje. Da mesma forma, me doeu na hora achar que estava sendo chamada de burra de uma forma tão grosseira e ríspida, e fiquei chateada por não ter conseguido me expressar bem e pelo clima pesado antes de dormirmos.

Hoje foi um dia baixo para mim. Quero conseguir aproveitá-lo para que não se repita. Entendendo o errado, conseguimos chegar mais rapidamente ao que é certo. Espero que amanhã seja esse dia e que nossa vida volte para o ponto alto da senóide.

segunda-feira, 22 de abril de 2013

Momentos que valem a pena. . .

Ontem você estava estranho. Não sabia se era culpa minha por ter sido meio grossa no sábado ou se o problema era outra coisa. Depois de conversar percebi que era outra coisa, mas que tinha a ver com a grosseria. Tudo tão ligado... Um passado que às vezes parece que não vai nos deixar. Mas hoje tudo mudou. Parece que conversar e não insistir dessa vez funcionou. Talvez o fato de eu dizer apenas o necessário, o que me deixou confusa, e não cobrar nada mais de você. O famoso "dá ou desce", sabe. Não sei que efeito teve em você, mas nossa última conversa me cansou bem menos, senti que foi mais objetiva. Espero que você tenha ficado realmente bem porque em nenhum momento eu quis que minha grosseria do sábado despertasse sentimentos ruins em você novamente.

Hoje fiquei com medo quando estava tudo bem e eu de repente mexi no seu computador. Queria ver nossa conversa, mas nunca sei o que você imagina que estou fazendo por tudo que aconteceu. Fiquei com medo de te chatear mesmo tendo agora "liberdade" pra isso. Se chateei pareceu que foi algo passageiro, o que me deixou aliviada e alegre. São dias como este que me fazem querer continuar. São pequenos detalhes que mostram que ainda vale a pena nosso amor. As "brincadeiras bobas" tem mais graça e não passam de brincadeiras diante da sua aproximação, do carinho expresso por meio de gestos e palavras. Adoro momentos de descontração com você, com abraços, beijos e elogios que soam despretensiosos, naturais, mas que fazem um bem enorme... Momentos em que focamos apenas na parte boa, mesmo que surja algo "ruim" no meio. Sou mesmo carente, gosto de ficar agarrada a você, isso me deixa bem (mesmo soando meio psicopata). Eu nunca duvidei que você fosse capaz de fazer uma mulher sorrir de felicidade e timidez ao mesmo tempo, mas me deixa ainda mais feliz saber que sou essa mulher, ainda mais depois de tantos meses de convivência. Quando sorrio assim tenho certeza das minhas atitudes e das minhas escolhas em relação a você. É apenas uma das coisas que me fazem permanecer ao seu lado, mas não menos importante que todos outros motivos, afinal, faz o que eu sinto por você aumentar com o passar do tempo. Quero causar essa mesma sensação em você sempre... Quero muito te fazer feliz também e, enquanto você quiser estar comigo, vou acreditar que isso é possível e vou tentar, vou te puxar comigo para tentarmos juntos. São momentos como os de hoje que fazem eu me sentir viva e querida por você e reafirmam seu encantamento, ao qual eu quero me render para sempre...

domingo, 7 de abril de 2013

. . .

Hoje tirei a noite para reler uma ou duas conversas antigas nossas guardadas no meu histórico. Conversas de quando começamos a sair, de quando comecei a gostar de você de verdade. Eu percebi que sinto falta de algumas coisas que você me falava, e que eu sabia não serem verdades na época, mas formas de me conquistar também. Sinto falta disso na nossa vida atualmente. Mas ao mesmo tempo não posso reclamar, porque hoje tudo é mais verdadeiro, todo elogio é merecido e não apenas jogado no ar. O lado ruim é que não é mais tão frequente quanto naquela época. Entretanto, o lado bom - e não menos importante - é que você me conhece bem e quando me elogia eu sei que não está mentindo. 

Eu estava pensando e percebi que o final do último livro que eu li (e que você sabe qual é) fez eu me sentir melhor. Agradeço ao autor por isso, aliás. O que eu gastaria meses ou anos para esquecer de verdade, deixar pra lá, eu consegui em uma noite com aquelas palavras que me tiraram um peso enorme e me deram uma vontade tão grande quanto de viver o presente. Ainda tenho uma lamentação, que hoje é apenas isso mesmo: ter visto você triste tantas vezes por errar comigo, ao invés de perceber previamente o que eu merecia e evitado tais coisas. Mas aconteceram, ok! Embora eu lamente, não perco minhas noites mais, nem vou morrer de chorar, porque infelizmente essa tristeza sua foi necessária como forma de "pagar" pelo erro e evitá-lo futuramente. Eu consigo enxergar o círculo se fechando, sabe... E eu quero que ele se feche AGORA! Eu divido tudo com você por querer que você faça isso comigo, portanto achei importante compartilhar meus pensamentos hoje: eu realmente te perdoei, e essa é a última vez que toco nesse assunto, e eu espero que nenhum de nós dois sofra mais por tais coisas, e eu estou depositando minha "fé cega" novamente em você para vivermos bem o presente e o futuro, e eu espero não me decepcionar mais.

Acredite, você sabe fazer uma mulher muito feliz quando quer. Não sei se é algo voluntário, mas é bom. Existem n coisas que amo em você e que me fazem ter a certeza de que você é o homem da minha vida. Nenhum de nós é perfeito. Eu não acho que seja necessário dizer quais são essas "n coisas", mas elas existem e você pode percebê-las a cada momento bom que tivermos, a cada sorriso meu, a cada beijo, e até mesmo a cada chatice minha de não querer te deixar.

Existe uma lista de coisas que espero de você, é verdade. Mas nenhuma dessas coisas tem a ver com ser bonito, musculoso, nem nenhum característica que pra mim não faz tanta diferença. Eu quero ter segurança com você, pensar que você me ama a ponto de mudar certos hábitos por mim. Quero ser suficiente pra você, entende... Eu quero a verdade sempre, mesmo que doa. Quero que você não omita nada para manter nossa paz, quero não ser enganada, como você também não quer ser. Quero que você  me ajude a ser a mulher que você espera que eu seja e para isso preciso que converse mais comigo sobre o que eu devo mudar para mais ou para menos. Quero que você leve em conta minha opinião quando pedi la, porque, independente de te conhecer bem ou não, só desejo o melhor. E, acima de tudo, quero que você acredite na capacidade que tem para tudo que quiser realizar, seja profissionalmente ou moralmente, seja em família ou comigo que já me considero sua família também (assim como considero você parte da minha).

Por mais que te conheça, certas coisas são impossíveis de enxergar completamente, afinal, sou mulher (e mulheres facilitam tanto quanto complicam alguns assuntos que mexem com o próprio ego). Eu fiquei com medo quando você disse aquilo de eu poder sair com outras pessoas sem terminar, porque é algo que não quero, mas principalmente porque eu tenho medo de você querer o mesmo. Sei lá, você sabe que algumas coisas que falo são da boca pra fora. Ninguém que ama uma pessoa vai entregá-la de mão beijada a outro sem se esforçar ao máximo. É mais ou menos como no dia em que fui embora da sua casa. Eu sei que você não me procurou porque ficou confuso e talvez tenha achado que eu estava certa, mas meu ego queria ao menos um pedido de desculpa, e meu coração queria algo que me fizesse desistir daquilo.

Fiquei atordoada e não vou mentir que ainda estou um pouco por não saber direito como devo entender sua proposta. Mas também não importa, porque não é algo que eu queira. E se você quiser um dia, paciência. Não sou ninguém para te prender, embora queira valer a pena para você.

No fundo eu sei que você me ama. Talvez você não tenha conseguido até hoje abrir mão de algumas coisas por não se colocar no meu lugar, mas eu até entendo certos dramas. É complicado mudar de repente, é como uma invasão. E eu também não sou a mulher mais linda do mundo para ter todas as atenções em todo tempo e achar que isso já basta. Mas eu vou ser ainda.

A ideia de você desaparecer da minha vida como colocou aquele dia me fez perceber que não é isso que eu quero. Não era isso que me faria bem naquele dia ou em qualquer outro. Eu não te dei meu corpo e meu coração à toa. No começo, fiz isso porque enxerguei em você alguém que eu amaria e que seria muito mais que um namorado. Depois, o fiz por ter a certeza de te amar. Se um dia esse amor passar para um de nós, eu não quero insistir, nem quero que você insista em tentar sentir algo apenas para me corresponder. Mas, até hoje, esse amor não passou, e eu espero que você saiba bem disso. Quero que dias como o de ontem e de anteontem se repitam muito ainda, principalmente agora que estou quase indo embora. Espero que os finais de semana comigo sejam o bastante para você durante esse ano, rezo para que isso aconteça e você não precisa de algo a mais, que infelizmente não poderei oferecer. Ainda não fui, mas já sinto sua falta, sinto como vai ser, e isso me deixa muito chateada. Mas a distância, no final, com lágrimas ou sem, vai ser apenas mais um círculo, que eu espero que se feche rapidamente para nós.

Eu acredito que o amor conquistado não morre, apenas muda de forma e talvez faça com que o ser amado não seja mais prioridade. Nosso relacionamento não foi baseado em expectativas suas ou minhas, em vontades particulares. Nós começamos juntos, embora você tenha começado com mais dúvidas que eu. E é por isso que eu te entendo, te perdoo, e te espero. E é por termos o mesmo ponto de partida, por termos vivido juntos tudo que vivemos durante esse tempo - seja algo nosso ou um problema pessoal - que você é meu grande amor. Aprendi com você que grandes amores mudam de forma, mas serão sempre prioridades. Você é a minha e, independente do que acontecer, eu vou te amar para sempre.

segunda-feira, 1 de abril de 2013

Envelheci dez anos ou mais nesse último mês. . .

A cada dia que passa eu só tenho motivos para me sentir mais desanimada com o mundo, com a minha vida. Só tenho motivos pra me sentir um lixo, uma tola, uma pessoa que não faz por merecer coisas boas. Eu já errei com muita gente, mas também quis acertar. Hoje a única coisa que eu queria era não existir mais. Existir cansa, dói, e sempre demora a passar... Eu queria muito entender o motivo de tudo isso, em que eu errei, por que tem de ser sempre assim. Eu queria muito conseguir ter ódio no meu coração e sair tocando o foda-se pro mundo e pra você. Eu não quero mais pensar, não quero mais fazer nada. Cheguei no limite da humilhação diversas vezes, embora nem todas você saiba o quão duras foram pra mim. Cheguei no meu limite em todos os sentidos, mas ainda sinto que a culpa de tudo foi minha, foi tudo pela minha insistência. E o mais triste disso tudo é que eu sou uma covarde, que não quer mais ter de viver, mas também não consegue deixar essa realidade...